segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Dia D. Carlos Drummond de Andrade.






Ah, se eu me chamasse Drummond...



Do Instituto Moreira Salles:
http://diadrummond.ims.uol.com.br/

Criação e comemoração do dia D, dia de celebração da poesia drummondiana. No site oficial tem notícias, eventos e curiosidades sobre o poeta.  

Escolhi entre tantos poemas aquele me faz suspirar como se fosse sempre a última a primeira leitura. Talvez porque eu me sinta um Elefante. Porque minha timidez fez de mim sempre um Elefante que não sabe onde se colocar. E que por isso vive sempre "desloucado", engolindo o próprio coração. E disse Drummond:  


O ELEFANTE

Fabrico um elefante
de meus poucos recursos.
Um tanto de madeira
tirado a velhos moveis
talvez lhe dê apoio.
E o encho de algodão,
de paina, de doçura.
A cola vai fixar
suas orelhas pensas.
A tromba se enovela,
e é a parte mais feliz
de sua arquitetura.
Mas há também as presas,
dessa matéria pura
que não sei figurar.
Tão alva essa riqueza
a espojar-se nos circos
sem perda ou corrupção.
E há por fim os olhos,
onde se deposita
a parte do elefante
mais fluida e permanente,
alheia a toda fraude.
Eis meu pobre elefante
pronto para sair
à procura de amigos
num mundo enfastiado
que já não crê nos bichos
e duvida das coisas.
Ei-lo, massa imponente
e frágil, que se abana
e move lentamente
a pele costurada
onde há flores de pano
e nuvens, alusões
a um mundo mais poético
onde o amor reagrupa as formas naturais.
Vai o meu elefante
pela rua povoada,
mas não o querem ver
nem mesmo para rir
da cauda que ameaça
deixá-lo ir sozinho.
É todo graça, embora
as pernas não ajudem
e seu ventre balofo
se arrisque a desabar
ao mais leve empurrão.
Mostra com elegância
sua mínima vida,
e não há na cidade
alma que se disponha
a recolher em si
desse corpo sensível
a fugitiva imagem,
o passo desastrado
mas faminto e tocante.
Mas faminto de seres
e situações patéticas,
de encontros ao luar
no mais profundo oceano,
sob a raiz das árvores
ou no seio das conchas,
de luzes que não cegam
e brilham através
dos troncos mais espessos.
Esse passo que vai
sem esmagar as plantas
no campo de batalha,
à procura de sítios,
segredos, episódios
não contados em livro,
de que apenas o vento,
as folhas, a formiga
reconhecem o talhe,
mas que os homens ignoram,
pois só ousam mostrar-se
sob a paz das cortinas
à pálpebra cerrada.
E já tarde da noite
volta meu elefante,
mas volta fatigado,
e as patas vacilantes
se desmancham no pó.
Ele não encontrou
o de que carecia,
o de que carecemos,
eu e meu elefante,
em que amo disfarçar-me.
Exausto de pesquisa,
Caiu-lhe o vasto engenho
Como simples papel.
A cola se dissolve
E todo seu conteúdo
De perdão, de carícia,
De pluma, de algodão,
Jorra sobre o tapete, qual mito desmontado
Amanhã recomeço. 

O Palhaço: Filme de Selton Mello. Os Palhaços: filme de Fellini. E as meninices do mundo.


Dois Filmes imperdíveis! A mágica circense narrada com singularidade e maestria. A melancolia e o realismo plástico comungados num lirismo imagético e delicado da narrativa.  Na estréia de "O Palhaço", Selton Mello citou uma frase célebre de Machado de Assis, "a esperança é a meninice do mundo". A frase faz parte do livro "Esaú e Jacó".  Os palhaços de Fellini e os palhaços de Selton Mello esbanjam meninices e experiências de esperança genuína. Um primor!

Livro: Narrativas Memorialísticas - Por uma Arte Docente na Escolarização da Literatura.

Seguidores

Leitura Lúdica

Loading...